Genética

Ancestralidade Genética: de onde eu sou?

É possível descobrir qual a porcentagem do meu DNA proveniente de populações em todo o mundo? Será que os brasileiros, de modo geral, têm origem genética dos índios, da África ou da Europa?

 

Afinal, o que é teste de ancestralidade e genealogia genética?

O teste de ascendência genética é o uso de informações contidas no DNA para realizar inferências sobre a ascendência de cada indivíduo através de centenas ou milhares de anos no passado.

Por outro lado, o teste de genealogia genética, combina testes de DNA com registros genealógicos e históricos, utilizando grandes bancos de dados para identificar padrões genéticos ou comparações para identificar os indivíduos da mesma etnia.

Os dois testes são bem parecidos, mas a genealogia genética é geralmente mais específica e seguro devido ao uso de informações genéticas adicionais.

Como é realizado o teste de ancestralidade?

As informações genéticas são passadas de gerações a gerações, e cada indivíduo carrega em si todas essas informações, pois estão armazenadas em nosso DNA. Portanto, o teste de ancestralidade genética utiliza informações armazenadas em grandes bancos de dados para realizar inferências sobre a ascendência por meio da combinação do DNA individual para realizar as correspondências esperadas.

Conforme as populações humanas foram miscigenando e migrando, por várias regiões geográficas, foram acontecendo pequenas variações (polimorfismos) e mudanças (mutações) no código genético. Estas modificações no DNA podem diferir bastante os indivíduos fenotipicamente (morfologicamente), dificultando assim a identificação de etnias humanas a partir do reconhecimento visual, sendo necessário a utilização da ancestralidade genética para reconhecimento dos padrões genéticos, que são frequentemente compartilhados entre pessoas de mesma origem.

A partir das variações genéticas que temos, é possível descobrir e conhecer sobre a história familiar e a origem dos nossos ancestrais. Alguns padrões são comuns em indivíduos de mesma origem, sendo assim, é possível estimar estes padrões e quão próximo são entre os povos, ou seja, quanto mais relacionados são dois indivíduos, famílias ou populações, mais os padrões de variação são compartilhados.

Como é o genoma brasileiro?

O estudo coordenado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) demonstrou que é possível identificar a ancestralidade dos brasileiros. A pesquisa foi iniciativa da EPIGEN-Brasil, realizada a partir da análise do genoma de 6,487 indivíduos, para elucidar como a ascendência, parentesco e endogamia, publicada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas).

Os resultados demonstraram que o Nordeste possui 50% de ascendência africana e o Sudeste e Sul, ambos com ascendência europeia maior que 70%. Este estudo também permitiu analisar a interação e distribuição do tráfico de escravos da África para Brasil (Figura 01), por meio da quantificação de padrões, e a distribuição de sangue europeu pelo sul do território brasileiro, além do processo de miscigenação nos cinco séculos de história do país.

Figura 1 – Mistura Brasileira. Fonte: Machado, 2015

Como faço para saber a minha ancestralidade e genealogia?

Há vários laboratórios nacionais e internacionais que realizam a análise personalizada e características do DNA através da composição de ascendência, percentagem de DNA de Neanderthal, linhagens maternas e dados armazenados nos bancos de dados.

No ponto de vista Genético, as análises são 100% confiáveis?

Estes testes genômicos de genealogia e ancestralidade não são 100% confiáveis devido algumas limitações. Cada laboratório que realiza os testes utiliza diferentes bancos de dados a partir de testes anteriores, de modo que pode haver diferenças nas estimativas de um laboratório para outro. Exceto se haver um banco de dados internacional e padronizado bastante específico, pois é muito difícil afirmar com alta especificidade e precisão a origem de um indivíduo pertencente a uma determinada tribo africana, por exemplo, ao contrário do que é divulgado por propagandas frequentes no marketing de empresas fornecedoras desses testes.

Veja um pouco mais:

Vídeo no Youtube sobre ‘A jornada do DNA’


Referências:

EPIGEN-Brasil: https://epigen.grude.ufmg.br/

Kehdy, F.S.G., Gouveia, M.H., Machado, M., Magalhães, W.C.S., Horimoto, A.R., Horta, B.L., et al. Origin and dynamics of admixture in Brazilians and its effect on the pattern of deleterious mutations. Proc Natl Acad Sci. 2015; 201504447.

Machado, R. Pesquisadores apresentam o mais completo estudo sobre o genoma brasileiro. Disponível em: ‹https://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2015/07/01/interna_tecnologia,663770/a-historia-nos-genes.shtml›. Acesso em: 26 de setembro de 2017.

Neto, G.; Valle, V.; Santos, R. V. Biorrevelações: testes de ancestralidade genética em perspectiva antropológica comparada. Horiz. antropol.,  Porto Alegre ,  v. 17, n. 35, p. 197-226,  Junho  2011 .

Sobre o Autor

Johnathan Andrade Vieira

Biólogo graduado pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e mestrando em Genética pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - Campus Ribeirão Preto (FMRP/USP) com experiência em Mutagênese Ambiental, Citogenética, Oncogenética e Biologia Molecular. É uma honra estar com todos vocês e participar do processo de conhecimento fornecido no Biologia para Biólogos. Saudações e um grande abraço!

Comentar

Clique aqui para comentar